Banco de Informações de Tecnologia e Equipamentos para Supermercados

Notícias

16/05/2014

O bitcoin caminha para a economia real

 

Começa a operar o primeiro portal de pagamentos que converte a moeda virtual em dinheiro vivo


Alan Greenspan, ex-presidente do banco central americano, cunhou uma definição precisa do que imaginava ser algo de valor. -Um ativo valioso é aquele que muitas pessoas pensam que vale alguma coisa‖, disse ele. A mesma comparação pode ser empregada em relação à moeda virtual bitcoin. Surgida em 2008, ela era praticamente desconhecida fora de um círculo restrito. Depois, enfrentou sua primeira crise e, agora, está migrando para a chamada economia real. No caso brasileiro, um passo importante foi dado no início de maio, quando entrou em operação o portal de pagamentos PagCoin, que permite interligar transações em bitcoins com negócios fechados de reais.

O modelo de negócios é simples: um cliente faz uma compra e paga a fatura em bitcoins. O portal converte essa moeda em reais pela cotação do momento e entrega a moeda brasileira ao comerciante, cobrando uma taxa para isso. -Essa ferramenta destina-se principalmente ao comércio eletrônico, mas as possibilidades são ilimitadas, incluindo remessas financeiras internacionais‖, diz o mestre em computação pernambucano João Carlos de Oliveira, fundador da PagCoin. Para evitar riscos de oscilação na -taxa de câmbio‖ entre os bitcoins e os reais, as transações são liquidadas em 15 minutos. À primeira vista, um futuro para o bitcoin parece implausível.

No auge do entusiasmo do mercado, em 29 de novembro do ano passado, cada bitcoin era negociado a US$ 1.125, uma alta de 8.320% em relação ao início do ano. Na quinta-feira 8, porém, a cotação havia recuado para US$ 430, depois de desabar para menos de US$ 200 em fevereiro. Naquele mês, a principal bolsa de transações do bitcoin, um portal de internet baseado em Tóquio, denominado Mt. Gox, simplesmente parou de funcionar, lesando milhares de clientes em 750 mil bitcoins, avaliados em US$ 400 milhões. No entanto, algumas semanas depois, a economia do bitcoin recebeu um apoio de peso. Marc Andreessen, criador do navegador Netscape e um dos pioneiros da internet, anunciou que estava investindo US$ 40 milhões por intermédio de seu fundo de capital de risco, a Andreessen Horowitz, em empresas destinadas a processar transações com a nova moeda.

-É como se estivéssemos de volta a 1995, quando a internet era um campo inexplorado, estranho, povoado de nerds e fraudes‖, disse Andreessen ao The Wall Street Journal no fim de março. A incerteza não o impediu de aplicar US$ 25 milhões na Coinbase, uma startup que cria carteiras virtuais, e cifras menores em empresas de pagamentos e criptografia. Segundo Andreessen, tecnologias como o bitcoin poderão abrir caminho para um sem- número de empreendimentos. -A internet é usada para enviar contratos e aprovações sem problemas, e, se ela puder ser um meio de evitar as pesadas tarifas cobradas por bancos e empresas de cartão de crédito, as moedas virtuais vão ganhar uma popularidade enorme‖, disse ele.


Prova de que já é impossível ignorá-las foi a decisão tomada no fim de abril pela empresa de informações financeiras Bloomberg de passar a publicar, ao lado de outras moedas, a taxa de câmbio dos bitcoins em relação ao dólar. É exatamente nesse nicho que Oliveira, da PagCoin, quer atuar. Na ponta do lápis - item pouco usado no mundo virtual, diga-se - o pequeno comerciante que recebe um pagamento através de um cartão de crédito paga caro por isso. Além do aluguel do POS, a famosa maquininha que processa as transações, ele precisa arcar com taxas de serviço que podem chegar a 5% do valor da compra. -Nosso principal atrativo é a taxa que cobramos, que é de apenas 1%‖, diz Oliveira.


O investimento inicial foi de modestos R$ 200 mil para as primeiras atividades da equipe de quatro sócios e seis colaboradoras. -Agora estamos conversando com investidores para captarmos mais R$ 2 milhões‖, diz ele. Parte do dinheiro veio de um sócio de peso, a espanhola Telefónica. A PagCoin está instalada nos escritórios futuristas da Wayra, incubadora de startups da empresa de comunicações. O próprio Oliveira, que traz no currículo uma bolsa de estudos na Nasa, evita fazer projeções estratosféricas. -As possibilidades são enormes, mas sabemos que estamos em um negócio ainda embrionário‖, diz ele.

 

 

Fonte: IstoÉ Dinheiro

 

 



TAGS



Veja mais notícias

>> clique aqui para ver todas as notícias

Publicidade

developed by atr2japan Copyright 2012 - 2019 - Abras - Todos os direitos reservados